35 - Epistolas Gerais

Curso da área de Bibliologia - Estudo nas Epistolas Gerais (Tiago a Judas)

35 - Epistolas Gerais 35 - Epistolas Gerais 35 - Epistolas Gerais INSTITUTO TEOLÓGICO FATEMIPAC
R$ 25 , 00 Pague com PagSeguro

O que você vai aprender?

35 - Epistolas Paulinas
35 - Epistolas Gerais
lock

Se tomarmos como base as prováveis datas em que foram escritas as epístolas, tendo sido a primeira por volta do ano 40 d.C. e a última por volta do ano 95 d.C., poderemos destacar alguns fatos e lugares deste período:

No início deste período epistolar o império romano era governado por Cláudio, de 41-54 d.C., que expulsou os judeus de Roma por causa de tumultos instigados por um certo “Chrestus”. Não é certo afirmar que este seria Jesus Cristo ou algum insurgente da época. O último imperador deste período foi Domiciano, entre 81-96 d.C., ao qual foi atribuída uma perseguição aos cristãos, que serviu de pano-de-fundo para o livro do Apocalipse.

No ano de 64 d.C. a cidade de Roma, então capital do império, foi incendiada e parte dela destruída, suspeitas recaíram sobre o imperador da época, Nero, porém os cristãos foram acusados pelo fato. Nesse período ocorreu a destruição de Jerusalém no ano 70 d.C., pelo então general Tito, que posteriormente tornar-se imperador, substituindo seu pai Vespasiano, segundo Gundry, Tito crucificou cerca de 500 judeus em um só dia. “Segundo a tradição, o apóstolo João viveu em Éfeso nos anos que precederam a sua prisão na Ilha de Patmos.” Estima-se que a população judaica no Império Romano seria de 4 milhões de judeus, cerca de 7% da população total do mundo romano. A língua oficial falada no império era o latim, porém no lado palestino do império os habitantes falavam o grego, o hebraico e o aramaico. Os sistemas de transportes eram precários, as pessoas viajavam a pé ou em lombo de burro, a cavalo, camelos ou em mulas. O transporte também era feito por água, o porto de Alexandria era o principal por onde escoavam a produção de cereais.

Image
Conteúdo da aula
Imagem - 83,2 KB

Sobre o curso

O contexto histórico e geográfico das Epístolas Gerais, como de todo o Novo Testamento pode ser descrito a partir do contexto histórico-geográfico do Império Romano, regime governamental dominante ao qual pertenciam as regiões da Palestina e Ásia Menor, regiões onde foram escritas ou para onde foram enviadas essas Epístolas Gerais.

Se tomarmos como base as prováveis datas em que foram escritas as epístolas, tendo sido a primeira por volta do ano 40 d.C. e a última por volta do ano 95 d.C., poderemos destacar alguns fatos e lugares deste período:

No início deste período epistolar o império romano era governado por Cláudio, de 41-54 d.C., que expulsou os judeus de Roma por causa de tumultos instigados por um certo “Chrestus”. Não é certo afirmar que este seria Jesus Cristo ou algum insurgente da época. O último imperador deste período foi Domiciano, entre 81-96 d.C., ao qual foi atribuída uma perseguição aos cristãos, que serviu de pano-de-fundo para o livro do Apocalipse.

No ano de 64 d.C. a cidade de Roma, então capital do império, foi incendiada e parte dela destruída, suspeitas recaíram sobre o imperador da época, Nero, porém os cristãos foram acusados pelo fato. Nesse período ocorreu a destruição de Jerusalém no ano 70 d.C., pelo então general Tito, que posteriormente tornar-se imperador, substituindo seu pai Vespasiano, segundo Gundry, Tito crucificou cerca de 500 judeus em um só dia. “Segundo a tradição, o apóstolo João viveu em Éfeso nos anos que precederam a sua prisão na Ilha de Patmos.” Estima-se que a população judaica no Império Romano seria de 4 milhões de judeus, cerca de 7% da população total do mundo romano. A língua oficial falada no império era o latim, porém no lado palestino do império os habitantes falavam o grego, o hebraico e o aramaico. Os sistemas de transportes eram precários, as pessoas viajavam a pé ou em lombo de burro, a cavalo, camelos ou em mulas. O transporte também era feito por água, o porto de Alexandria era o principal por onde escoavam a produção de cereais.

Assim sendo, aproveite ao máximo o estudo deste curso.

 

Saiba mais

Conheça o(a) professor(a)

Pastor Jeziel Gusmão

Ministro do Evangelho, Pedagogo, Gestor Público e Psicanalista.

O Professor Jeziel Buarque de Gusmão, é conhecido por seus mais de oitenta livros nas áreas de Teologia, Psicanálise, Filosofia, Sociologia, entre outras áreas com o pseudônimo "PASTOR JEZIEL GUSMÃO". É Ministro do Evangelho ordenado ao santo ministério no dia 31/08/1977. ministra a Palavra de Deus (pregando e ensinando) em todo o território nacional, tendo servido no campo missionário em quase todos os países da América do Sul durante  mais de cinco anos. No Brasil, pastoreou igrejas no Estado de Alagoas, de onde foi o 3º missionário enviado pela ADALAGOAS. Também pastoreou igrejas no Distrito Federal, em Uberlândia-MG e atualmente na Assembleia de Deus Ministério Betel que é a 1ª AD da Missão na cidade de Cristalina-GO. Na Convenção de Ministros das ADs no Estado de Alagoas (COMADAL), serviu como missionário e pastor de campo. Na Conveção Evangélica das ADs do Distrito Federal (CEADDIF), exerceu as funções de membro do Conselho Fiscal (4 anos), Secretário (mais de 19 anos), Presidente do Conselho Político (4 anos) e atualmente é o Secretário Executivo de Missões na Secretária de Missões da CEADDIF (SEMIC). Como professor ministra quase todas as matérias dos cursos presenciais, semi-presenciais e a distância da FATEMIPAC, fundada inicialmente em 06/06/1997. Com o nome de FATEMIG. Também ministrou em cursos de Pós-Graduação nas seguintes faculdades: FACETEN, FATEBOV, FAEL, FALBE e Faculdade Darwin, entre outras. Atualmente é o Diretor Geral da FATEMIPAC, antiga FATEMIG. Como literário, é detentor da cadeira 13 da Academia Evangélica de Letras do Distrito Federal (AELDF), cujo Patrono é o saudoso Pastor e escritor José Antônio dos Santos ( Pastor Zé Neco).

INSTITUTO TEOLÓGICO FATEMIPAC

Cursos e Especializações Teológicas e Seminarística
Tecnologia
Tec coursify